São Policarpo 23/02

O Santo deste dia é um dos grandes Padres Apostólicos, ou seja, pertencia ao número daqueles que conviveram com os primeiros apóstolos e serviram de elo entre a Igreja primitiva e a Igreja do mundo greco-romano. São Policarpo foi sagrado bispo de Esmirna pelo próprio São João, o Evangelista.

Muito reverenciando pelos cristãos como um líder, e foi escolhido para representar o Papa Aniceto na questão da data da celebração da Páscoa.

A carta escrita por Policarpo aos Filipenses foi preservada. Nesta carta ele diz: “Fique firme e na sua conduta siga o exemplo do Senhor, firme e imutável em sua fé, ame seu irmão, amando a cada um e a todos, unidos na verdade e ajudando a cada um com a bondade do Senhor Jesus, não desprezando a nenhum homem”.

De caráter reto, de alto saber e amor a Igreja, Policarpo era respeitado por todos no Oriente. Com a perseguição, o Santo bispo, de 86 anos escondeu-se até que foi preso e levado ao governador que o obrigou a ofender a Cristo. Policarpo respondeu: "Há oitenta e seis anos sirvo a Cristo e nenhum mal tenho recebido dele. Como poderei rejeitar aquele a quem prestei culto e reconheço como o meu Salvador?".

Condenado no estádio da cidade, ele próprio subiu na fogueira e testemunhou para o povo: "Sede bendito para sempre, ó Senhor; que o vosso nome adorável seja glorificado por todos os séculos".

Milagrosamente, as chamas não o atingiam e não o machucavam e ele continuava a cantar hinos de louvor a Jesus. Impressionado com o acontecimento, os guardas chamaram um arqueiro para que ele perfurasse o santo com uma flecha. Ao ser atingido o seu sangue apagou as chamas. Os guardas tentaram de novo acender a pira, mas sem sucesso. O procônsul, encarregado do martírio, furioso ordenou que fosse decapitado com uma adaga. São Policarpo morreu por amor a Deus em 155. É invocado como protetor das dores de ouvido e das queimaduras.

Colaboração: Padre Evaldo César de Souza, CSsR

Reflexão Celebrar a festa de São Policarpo é relembrar as origens da Igreja e o valor do sangue dos mártires para a fé dos cristãos. Aceitando doar sua vida pelo Cristo, São Policarpo e muitos outros cristãos demonstraram a total confiança nas promessas de Jesus. Regada com o sangue do martírio, a Igreja brotou forte e conseguiu firmar-se como um espaço de fraternidade e esperança. Hoje em dia nosso martírio acontece nos pequenos desafios do dia a dia, como a paciência com os sofredores, doentes e idosos. Acolher em Cristo aqueles que estão sofrendo, nos torna verdadeiros missionários do amor de Deus.

Oração Deus eterno e todo-poderoso, que a vossos pastores associastes São Policarpo, a quem destes a graça de lutar pela justiça até a morte, concedei-nos, por sua intercessão, suportar por vosso amor as adversidades, e correr ao encontro de vós que sois a nossa vida. Por Cristo nosso Senhor. Amém!